Arquivos de sites

Como persistir LocalDate e LocalDateTime do Java 8 com JPA

E ai galera beleza? faz muito tempo que eu não postava nada novo, então bora com “novidade” do java 8 + JPA 😀

O Java 8 trouxe muitas grandes funcionalidades e uma das mais importantes e uma das antecipadas foi a nova API de data e hora. Haviam muitos problemas com a antiga API e não vou entrar em detalhes do porque nós precisamos de uma nova. Tenho certeza que você teve que lutar com ela com frequencia.

Todos esses problemas se foram com Java 8 \o/. A nova API de data e hora é bem desenhada, fácil de usar e (finalmente) imutável. O único problema que permanece é, que você não pode usava com JPA.

Bem, isso não totalmente verdade. Você pode usa-la, porém o JPA irá mapeá-la para BLOB ao invés de DATE ou TIMESTAMP. Que significa que a base de dados não está ciente do objeto de data e não pode aplicar nenhuma otimização para isso. E não é desse jeito que deveríamos ou gostaríamos de fazê-lo.

Porque o JPA não suporta LocalDate e LocalDateTime?

A resposta é simples, o JPA 2.1 foi liberado antes do Java 8 e a API de data e hora simplesmente não existia naquela época. Portanto a anotação @Temporal pode apenas ser aplicada a atributos do tipo java.util.Date e java.util.Calendar.

Se você deseja armazenar um atributo LocalDate em uma coluna Date ou uma LocalDateTime em uma coluna TIMESTAMP, você mesmo precisa definir o mapeamento para java.sql.Date ou java.sql.Timestamp. Graças ao conversor de atributo, uma das diversas novas funcionalidades do JPA 2.1, isso pode ser alcançado com apenas algumas linhas de código.

Nos exemplos abaixo, eu vou mostrar pra vocês como criar um conversor de atributos para LocalDate e LocalDateTime. Se você quer aprender mais sobre conversor de atributo, dê uma olhada aqui (inglês).

O exemplo

Antes de nós criar os conversores de atributo, vamos dar uma olhada na entidade de exemplo para esse post:

@Entity
public class MyEntity {

@Id
@GeneratedValue(strategy = GenerationType.AUTO)
@Column(name = “id”, updatable = false, nullable = false)
private Long id;

@Column
private LocalDate date;

@Column
private LocalDateTime dateTime;

}

O conversor de atributo faz parte da especificação do JPA 2.1 e pode portanto ser usado com qualquer implementação de JPA 2.1, ex.: Hibernate ou EclipseLink. Eu usei Wildfly 8.2 com Hibernate 4.3 para os seguintes exemplos.

Convertendo LocalDate

Como você pode ver no seguinte pedaço de código, não é necessário muita coisa para criar um conversor de atributo para LocalDate.

@Converter(autoApply = true)
public class LocalDateAttributeConverter implements AttributeConverter<LocalDate, Date> {

@Override
public Date convertToDatabaseColumn(LocalDate locDate) {
return (locDate == null ? null : Date.valueOf(locDate));
}

@Override
public LocalDate convertToEntityAttribute(Date sqlDate) {
return (sqlDate == null ? null : sqlDate.toLocalDate());
}
}

Você precisa implementar a interface AttributeConverter<LocalDate, Date> e seus 2 métodos convertToDatabaseColumn e convertToEntityAttribute. Como você pode ver nos nomes dos métodos, um deles define a conversão do tipo do atributo da entidade (LocalDate) para o tipo de coluna da base de dados (Date) e o outro é a conversão inversa. A conversão em si é simples porque java.sql.Date ja nos provê o método para fazer a conversão “de” e “para” um LocalDate.

Adicionalmente o conversor de atributo precisa ser anotado com a anotação @Converter. Devido a propriedade opcional autoApply=true, o conversor será aplicado a todos os atributos do tipo LocalDate. Dê uma olhada aqui (inglês), se você quer definir o uso de cada conversor para cada atributo individualmente.

A conversão do atributo é transparente para o desenvolvedor e o atributo LocalDate pode ser usado como qualquer outro atributo da entidade. Você pode usa-lo como parâmetro de query por exemplo.

LocalDate date = LocalDate.of(2015, 8, 11);
TypedQuery<MyEntity> query = this.em.createQuery(“SELECT e FROM MyEntity e WHERE date BETWEEN :start AND :end”, MyEntity.class);
query.setParameter(“start”, date.minusDays(2));
query.setParameter(“end”, date.plusDays(7));
MyEntity e = query.getSingleResult();

Convertendo LocalDateTime

O conversor de atributo para LocalDateTime é basicamente o mesmo. Você precisa implementar a interface attributeConverter<LocalDateTime, Timestamp> e o conversor precisa ser anotado com a anotação @Converter. Assim como o LocalDateConverter, a conversão entre LocalDateTime e um java.sql.Timestamp é feita através dos métodos de conversão do Timestamp.

@Converter(autoApply = true)
public class LocalDateTimeAttributeConverter implements AttributeConverter<LocalDateTime, Timestamp> {

@Override
public Timestamp convertToDatabaseColumn(LocalDateTime locDateTime) {
return (locDateTime == null ? null : Timestamp.valueOf(locDateTime));
}

@Override
public LocalDateTime convertToEntityAttribute(Timestamp sqlTimestamp) {
return (sqlTimestamp == null ? null : sqlTimestamp.toLocalDate());
}
}

Conclusão

O JPA 2.1 foi liberado antes do Java 8 e portanto não suporta a nova API de data e hora. Se você quer usar as novas classes (do jeito certo), você mesmo precisa definir a conversão para java,sql.Date e java.sql.Timestamp. Isso pode ser feito facilmente implementando a interface AttributeConverter<EntityType, DatabaseType> e anotando a classe com a anotação @Converter(autoApply=true). Setando autoApply=true, a conversão será aplicada a todos os atributos do EntityType e nenhuma alteração na entidade é necessária.

Até onde eu sei, a próxima versão do JPA suportará a nova API de data e hora e as diferentes implementações provavelmente irão suporta-la ainda mais cedo. O Hibernate 5 por exemplo irá suporta-la como uma funcionalidade proprietária.

É isso ai galera, espero tê-los ajudado 😀

Fonte: thoughts-on-java.org – Thorben Janssen

Parte 1 – Introdução ao Framework Struts 2

Então vamos começar a parte 1 de uma série de 7 partes, Nestes tutoriais nós vamos discutir a  Introdução ao Framework Struts2, framework de validação, os interceptadores no Struts2, plugin Tiles e essa aplicação com exemplo, um exemplo de upload de arquivo e exemplo de Ajax do Struts2.

Introdução ao Framework Struts 2

Apache Struts 2 é um framework elegante e extensível para criação de aplicações web em java. O framework é projetado para simplificar todo o ciclo de desenvolvimento, desde a construção, implantação, manutenção de aplicações ao longo do tempo.

Apache Struts2 foi originalmente conhecido como WebWork 2. Após trabalhar independentemente por vários anos, as comunidades WebWork e Struts juntaram forças para criar o Struts2. Essa nova versão do Struts é mais simples de usar e mais próximo de como o Struts sempre pretendia ser.

Struts 2 é um framework pull-MVC. Isto é, os dados que são mostrados ao usuáro tem que ser puxado da Action.

Struts2 suporta configurações baseadas em anotação que é mais fácil de criar e mais intuitiva. Classe action no Struts 2 atua como model na aplicação web. Ao contrário do Struts, a classe action do Struts 2 são simples objetos POJO assim slimplificando o teste do código. Struts2 também bem com poderosas APIs para configurar Interceptadores que reduzem muito o acoplamento na aplicação. A parte de view do Struts 2 é altamente configurável e suporta diferentes result-types como Velocity, FreeMarker, JSP e etc.

A Arquitetura do Struts 2

A Arquitetura do Struts 2 é baseado no framework WebWork 2. Isto influência as tecnologias JEE Standard como Java Filters, JavaBeans, ResourceBundles, Locales, XML etc nesta arquitetura.
Abaixo segue o diagram do framework.

struts 2 architecture
Imagem: struts.apache.org

  1. O ciclo de vida normal do struts começa quando a requisição é enviada pelo cliente. Isto resulta na invocação do servlet container que por sua vez é passa através da cadeia de filtros padrão.
  2. O filtro FilterDispatcher que é chamado consulta o ActionMapper para determinar  se uma  Action deveria ser invocada.
  3. Se o ActionMapper encontra uma Action a ser invocada, o FilterDispatcher delega controle ao ActionProxy.
  4. O ActionProxy lê o arquivo de configuração como o struts.xml. ActionProxy cria uma instancia da classe ActionInvocation e delega o controle.
  5. ActionInvocation é responsável pela implementação padrão de comando. Ela invoca os Interceptors(Interceptadores) um por um (se necessário) e então invoca a Action.
  6. Uma vez que a Action retorna, o ActionInvocation é responsável por procurar o resultado da propriedade associada com o código resultado da Action mapeada no struts.xml.
  7. Os Interceptors são executados de novo na ordem contrária e a resposta é retornada para o Filter (Na maioria dos casos ao FilterDispatcher). E o resultado é então enviado para o servlet container que por sua vez o envia de volta ao cliente.

Ciclo de vida do Processamento da Requisição


O ciclo de vida do processamento da requisição do framework Struts2 é bastante discutida na sessão acima, onde vimos a arquitetura do framework Struts 2.

  1. A requisição é gerada pelo usuário e enviada ao Servlet container.
  2. Servlet container invoca o filtro FilterDispatcher que por sua vez determina a ação apropriada.
  3. Um por um dos Intercetors são aplicados ante de chamar a Action. Interceptors executam tarefas como Logging, Validation, File Upload, Double-submit guard e etc.
  4. Action é executada e o Result é gerado pela Action.
  5. A saída da Action é renderizada na view (JSP, Velocity, etc) e o resultado é retornado ao usuário.

Suporte AJAX no Struts 2

AJAX é um termo bem conhecido no desenvolvimento web. Agora é possível escrever aplicações desktop como web2.0 usando AJAX. Até o Struts 1.x, o desenvolvedor tinha que escrever e manter o código em javascript para adicionar o suporte AJAX.
Mas agora o Struts 2 lhe dá o Ajax ‘for a da caixa’. Sem escrever javascript, sem debugar comparando vários browsers; apenas configure e vai.

Struts 2 vem com uma biblioteca de tags AJAX altamente configuráveis quais podem ser usada diretamente sem escrever código JavaScrip. Struts 2 também suporta biblioteca Dojo. Agora é muito fácil adicionar características de AJAX habilitado como o Autocomplete a sua aplicação web.
Relacionado: Introdução ao DOJO Toolkit (em inglês)

Comparação do Struts 1 e Struts 2

Vamos ver a diferença básica entre o framework Struts 1 e 2.

  1. Diferente do Struts 1, o Struts 2 não necessita de implementar a classe Action. A Action no Struts 2 é um objeto POJO. Assim fazendo isso ficar fácil para teste unitário do código.
  2. Actions  do Struts 1 são singletons e deve ser thread-safe uma vez que só terá apenas uma instancia de uma classe para manipular todas as requisições para aquela Action. Objetos action do Struts 2 são instanciados para cada requisição, então não tem problemas de thread-safety.
  3. As actions do Struts 1 tem dependências da servlet API desde que a HttpServletRequest e HttpServletResponse é passada ao método execute quando uma Action é invocada. As actions do Struts 2 não são acopladas a um container. Mais frequentemente os contextos de servlet são representadas como simples Maps, permitindo Actions serem testadas em isolamento.
  4. Struts 1 usa um objeto ActionForm para capturar a entrada. Como as Actions, todos ActionForms devem estender uma classe base. Uma vez que outro JavaBeans não pode ser usada como ActionForms, desenvolvedores criam mais classes redundantes para capturar as entradas. Struts 2 usa Action properties como input properties, eliminando a necessidade por um segundo objeto de entrada. Input properties podem ser tipos de objetos ricos quais podem ter suas próprias propriedades.
  5. Struts 1 integra com JSTL, assim utilizando o JSTL EL. O EL tem basic object graph traversal, mas é relativamente uma coleção fraca e suporte de propriedades indexado. Struts 2 pode utilizar JSTL, mas o framework também suporta uma linguagem de expressão (expression language) muito mais poderosa e flexível, chamada “Object Graph Notation Language” (OGNL).
  6. Struts 1 usa o mecanismo padrão JSP para fazer o binding (amarração) dos objeto dentro do contexto da página para acesso. Struts 2 usa um tecnologia “ValueStack” de modo que  as taglibs podem acessar valores sem acoplar sua view ao tipo do objeto que ela está renderizando.

Struts 1 suporta separar Request Processors (ciclos de vida) para cada módulo, mas todas as Actions no modulo necessitam compartilhar o mesmo ciclo de vida. Struts 2 suporta criar diferentes ciclos de vida em cada Action base via Interceptor Stacks. Custom stacks podem ser criadas e usada com diferentes Actions, conforme desejado.

—————————————————————-

Espero que tenham gostado dessa primeira parte, assim que possível postarei a parte 2 😀
See ya!

Fonte: viralpatel.net – Viral Patel