Arquivos de sites

jQuery – O método unbind()

No capítulo anterior, nós usamos o método bind() para inscrever a eventos com jQuery. No entanto, você pode precisar remover essas inscrições novamente por vários motivos, para prevenir o manipulador de eventos seja executado uma vez que o evento ocorra. Nós fazemos isso com o método unbind(), que em sua forma mais simples se parece com isso:

$("a").unbind();

Isso irá remover quaisquer manipuladores de evento que você tenha anexado com a função bind(). Porém, você pode querer remover apenas inscrições de evento de um tipo específico, por exemplo clicks e doubleclicks:

$("a").unbind("click doubleclick");

Simplesmente separe os tipos de evento com espaço. Aqui esta um exemplo mais completo, onde você pode ver isso tudo em ação:

<a href="javascript:void(0);">Test 1</a>
<a href="javascript:void(0);">Test 2</a>
<script type="text/javascript">
var msg = "Hello, world!";
$(function()
{
        $("a").bind("click", function() {
                $("a").unbind("click");
                alert("First and only message from me!");
        });
});
</script>

Neste pequeno exemplo, nós inscrevemos o evento de click a todos os links. Porém uma vez que o link é clicado, nós removemos todas as inscrições e alertamos o clicador sobre isso. O manipulador de evento não será mais ativado pelos links.

jQuery permite você se inscrever ao mesmo tipo de evento mais de uma vez. Isso pode vir a calhar se você quiser o mesmo evento faça mais de uma coisa em diferentes situações. Você faz isso chamando o método bind() para cada vez que você quer anexar um pedaço de código para isso, assim:

<a href="javascript:void(0);">Test 1</a>
<a href="javascript:void(0);">Test 2</a>
<script type="text/javascript">
var msg = "Hello, world!";
$(function()
{
        $("a").bind("click", function() {
                alert("First event handler!");
        });
        
        $("a").bind("click", function() {
                alert("Second event handler!");
                $("a").unbind("click");
        });
});
</script>

Porém, abre-se para a possibilidade de uma vez que você desvincule um evento, você pode estar removendo inscrições de evento usado todo em um outro lugar do seu código, que você ainda precisa. Se você tentar o exemplo, você vai ver o resultado disso – quando você clica em um link, todos as inscrições de evento são removidas. jQuery permite que você especifique um argumento secundário, que contém uma referencia a um manipulador específico que você gostaria de remover. Desse jeito, nós podemos ter certeza que nós apenas removemos a inscrição de evento que nós pretendíamos. Aqui está um exemplo:

<a href="javascript:void(0);">Test 1</a>
<a href="javascript:void(0);">Test 2</a>
<script type="text/javascript">
var msg = "Hello, world!";
$(function()
{
        var handler1 = function() 
        {
                alert("First event handler!");
        }
        
        var handler2 = function() 
        {
                alert("Second event handler!");
                $("a").unbind("click", handler2);
        }
        
        $("a").bind("click", handler1);
        $("a").bind("click", handler2);
});
</script>

Especificando handler2 como parâmetro secundário, apenas esse manipulador de evento específico é removido. Tente o exemplo. A mensagem secundária é apenas mostrada a primeira vez que você clicar no link.

Fonte: jquery-tutorial.net

Anúncios

jQuery – Introdução à eventos (events) – O método bind()

Introdução à eventos (events)

Eventos em JavaScript são geralmente alguma coisa onde você escreve um pedaço de código ou um nome de uma função dentro de um atributo de evento em uma tag HTML. Por exemplo, você pode criar um evento para um link escrevendo um código assim:

<a href="javascript:void(0);" onclick="alert('Hello, world!');">Test</a>

E claro isso ainda é perfeitamente válido quando se usa jQuery. Porém, usando jQuery, você pode vincular código a um evento de um elemento ainda mais fácil, especialmente em casos onde você quer anexar funções anônimas ou usar o mesmo código para múltiplo eventos, ou ainda o mesmo código para múltiplos eventos de múltiplos elementos. Com por exemplo, você pode vincular o mesmo evento para todos os links e tags span no seu documento, com apenas algumas linhas de código assim:

<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("a, span").bind("click", function() {
                alert('Hello, world!');
        });
});
</script>

Nós usamos o método bind, que é essencial quando trabalhamos com eventos e jQuery.

O método bind()

Um dos aspectos mais importante de lidar com eventos através do jQuery são os métodos bind() e unbind(). Como o nome sugere, eles vão simplesmente anexar e desanexar código a um ou vários eventos em um conjunto de elementos. Nós vimos um exemplo de uso muito simples do método bind() na introdução à eventos, e aqui está um mais completo:

<a href="javascript:void(0);">Test 1</a>
<a href="javascript:void(0);">Test 2</a>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("a").bind("click", function() {
                alert($(this).text());
        });
});
</script>

Isso funciona selecionando todos os links (elementos <a>) e então vinculamos a função anônima que você vê ao evento click. Uma pequena característica legal é que o jQuery irá automaticamente atribuir o elemento que é clicado, à palavra-chave “this” dentro da função anônima. Isso irá permitir você acessar o elemento que ativa o elemento, mesmo quando você atribuir o mesmo código para múltiplos elementos.

Quando o jQuery chama seu método, ele irá passar informação sobre o evento como primeiro parâmetro, se você especificou um ou mais parâmetro nele. Por exemplo, o objeto de evento passado irá conter informação sobre onde o cursor do mouse está, qual tipo de evento é, qual tecla do teclado ou botão do mouse foi apertado (se algum) e muito mais.
Você pode ver todas as propriedades e métodos do objeto de evento aqui: http://api.jquery.com/event.which/

Aqui está um exemplo:

<div id="divArea" style="background-color: silver; width: 100px; height: 100px;">
</div>
<script type="text/javascript">
$("#divArea").bind("mousemove", function(event)
{
        $(this).text(event.pageX + "," + event.pageY);
});
</script>

Nós criamos um elemento div de um tamanho razoável e uma cor de fundo. Para essa div, nós vamos subscrever ao evento mousemove, com uma função anônima com um parâmetro chamado “event”. Esse objeto nos dá acesso as propriedades pageX e pageY, que nos diz onde na página o cursor do mouse está atualmente, referente ao canto superior esquerdo do documento. Tente o exemplo e mova o cursor sobre o elemento div e você verá as coordenadas atualizadas conforme você move o mouse.

O método bind() também permite você passar dados por contra própria e acessá-lo pelo objeto de evento. Isso também permite você atribuir valores na hora que você vincular o evento, e estar apto para ler esse valor na hora que esse evento é invocado, apesar de a variável original que você usou pode ter mudado. Aqui está um exemplo onde você pode ver isso:

<a href="javascript:void(0);">Test 1</a>
<a href="javascript:void(0);">Test 2</a>
<script type="text/javascript">
var msg = "Hello, world!";
$(function()
{
        $("a").bind("click", { message : msg }, function(event) {
                msg = "Changed msg";
                alert(event.data.message);
        });
});
</script>

Nós passamos o valor como parâmetro secundário do método bind(), como um mapa do tipo chave-valor. Você pode passar mais de um valor separando eles por vírgulas. Para acessar o valor dentro do event handler, nós usamos a propriedade de dados do objeto evento. Essa propriedade contém sub-propriedades para cada um dos valores que você passou, que significa que você pode acessar o valor do parâmetro “message” usando evento.data.message.

Apesar do fato que nós mudamos o valor da variável “msg” dentro do event handler, a mensagem mostrada será ainda “Hello, world!” toda vez que você clicar em um dos links, porque é avaliada assim que o event handler está vinculado, que é depois que a página foi carregada.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net

jQuery – Os métodos before() e after()

No capítulo anterior, nós usamos os métodos append() e prepend() para inserir coisas dentro de um elemento, mas em alguns casos, nós precisamos inserir coisas antes ou depois de um ou vários elementos em vez disso. O jQuery tem os métodos befoer() e after() apenas para esse propósito, e eles são tão fáceis de usar. Veja esse exemplo:

<a href="javascript:void(0);" onclick="$('input.test1').before('<i>Before</i>');">Before</a>   
<a href="javascript:void(0);" onclick="$('input.test1').after('<b>After</b>');">After</a>
<br /><br />
<input type="text" value="Input 1" name="txtInput1" /><br />
<input type="text" value="Input 2" name="txtInput2" /><br />

Dependendo em qual dos dois links você clicou, uma tag itálico ou uma negrito será inserida antes ou depois de cada elemento input na página usando a classe “test1”. Assim como append() e prepend(), ambos after() e before() permitem você usar strings HTML, elementos DOM e objetos jQuery como parâmetros e uma quantidade infinita deles também. Nós vamos demonstrar isso no próximo exemplo:

<a href="javascript:void(0);" onclick="InsertElements();">Insert elements</a>
<br /><br />
<span id="spnTest2">Hello world? </span>
<script type="text/javascript">
function InsertElements()
{
        var element1 = $("<b></b>").text("Hello ");
        var element2 = "<i>there </i>";
        var element3 = document.createElement("u");
        element3.innerHTML = "jQuery!";   
        $("#spnTest2").after(element1, element2, element3);
}
</script>

Neste exemplo, nós criamos um objeto jQuery, uma string HTML e um elemento JavaScript DOM, e então nós usamos o método after() para inserir todos eles depois da nossa tag span. Claro, o método before() poderia ter sido usado exatamente da mesma maneira.

Existem variações dos métodos before() e after(), chamados insertBefore() e inserAfter(). Eles fazem praticamente a mesma coisa, mas eles fazem isso ao contrário, então ao invés de os chamarem nos elementos que devemos inserir dados antes ou depois, com um parâmetro do que é para ser inserido, você faz exatamente o oposto. Qual método usar obviamente depende da situação, mas aqui está um exemplo mostrando a você como usar ambos:

<a href="javascript:void(0);" onclick="InsertElementsBefore();">Insert elemenets</a>
<br /><br />
<span id="spnTest3">Hello world? </span>
<script type="text/javascript">
function InsertElementsBefore()
{       
        $("#spnTest3").before($("<i></i>").text("before() "));
        $("<b></b>").text("insertBefore() ").insertBefore("#spnTest3");
}
</script>

Neste exemplo, nós inserimos os itens antes da tag span, mas você poderia com certeza fazer exatamente a mesma coisa usando after() e insertAfter(), se você deseja inserir depois do elemento alvo. Como você pode ver, o resultado é o mesmo – apenas a ordem do que nós fazermos difere.

Fonte: jquery-tutorial.net

jQuery – Introdução a manipulação do DOM – Pegando e atribuindo conteúdo [text(), html() and val()]

Introdução a manipulação do DOM

Um dos mais importantes aspectos do JavaScript e desse modo jQuery, é a manipulação do DOM. O DOM significa Document Object Model (Modelo de Objeto de Documento) e é um mecanismo para representação e interação com nossos documentos HTML, XHTML ou XML. Ele lhe permite navegar e manipular seus documentos através de uma linguagem de programação, que no navegador será quase sempre JavaScript. A navegação e manipulação do DOM usando o JavaScript padrão pode muito complicado, mas felizmente para nós, o jQuery vem com um monte de métodos relacionado ao DOM, fazendo isso tudo muito mais fácil.

No primeiro exemplo “Hello, world!” desse tutorial, nós comparamos o trabalho de encontrar um elemento e atribuir um texto a ele usando primeiro jQuery e então JavaScript. Esta é apenas a ponta do iceberg, porém, e nos capítulos seguintes você verá como é fácil manipular o conteúdo dos seus documentos com jQuery.

Pegando e atribuindo conteúdo [text(), html() and val()]

O aspecto mais simples da manipulação do DOM é recuperar e atribuir text (texto), valores (valores) e HTML. Essas três coisas podem parecer a mesma coisa, mas elas não são. Text é uma representação literal (sem HTML) do conteúdo interno para todos os elementos normais, values são para elementos de formulário e HTML é o mesmo que text, mas incluindo qualquer marcação (markup).

Felizmente para nós, o jQuery vem com um método para cara um dos três, nos permitindo recuperar e atribuir essas propriedades: Os métodos text(), html() e val(). Aqui está um pequeno exemplo que mostrará a você a diferença entre eles e como eles são simples de usar:

<div id="divTest">
        <b>Test</b>
        <input type="text" id="txtTest" name="txtTest" value="Input field" />
</div>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        alert("Text: " + $("#divTest").text());
        alert("HTML: " + $("#divTest").html());
        alert("Value: " + $("#divTest").val());
        
        alert("Text: " + $("#txtTest").text());
        alert("HTML: " + $("#txtTest").html());
        alert("Value: " + $("#txtTest").val());
});
</script>

Então uma chamada  para um desses métodos sem parâmetros irá simplesmente retornar a propriedade desejada, Se nós queremos atribuir a propriedade em vez disso, nós simplesmente especificamos um parâmetro extra. Aqui está um exemplo completo:

<div id="divText"></div>
<div id="divHtml"></div>
<input type="text" id="txtTest" name="txtTest" value="Input field" />

<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("#divText").text("A dynamically set text");
        $("#divHtml").html("<b><i>A dynamically set HTML string</i></b>");
        $("#txtTest").val("A dynamically set value");
});
</script>

E isso é o quão fácil é para atribuir texto, HTML e valores.

Essas três funções vêm com uma sobrecarga a mais, onde você especifica uma função de callback como primeiro e único parâmetro. Essa função de callback será chamada com dois parâmetros pela jQuery, o índice do elemento corrente na lista de elementos selecionados, assim como o valor existente, antes dele ser substituído com um novo valor. Você então retorna a string que você deseja usar como o novo valor para função. Essa sobrecarga funciona para ambos html(), text() e val(), mas por motivo de simplicidade, nós apenas usamos a versão do text() neste exemplo:

<p>Paragraph 1</p>
<p>Paragraph 2</p>
<p>Paragraph 3</p>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("p").text(function(index, oldText) {
                return "Existing text: " + oldText + ". New text: A dynamically set text (#" + index + ")";
        });
});
</script>

Nós começamos com três elementos de parágrafos semelhantes, que o texto é a única diferença deles. No código jQuery, nós selecionamos todos eles e então usamos a versão especial do método text() para substituir o texto atual com um novo texto construído, baseado nos dois parâmetros que jQuery fornece a nós: O índice do elemento atual e também o seu texto atual. Esse novo texto é então retornado ao jQuery, que irá substituir texto atual pelo novo.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net

jQuery – Sliding de elementos (Deslizar)

No capítulo anterior, nós vimos como nós podemos exibir ou esconder elementos  usando os métodos fading do jQuery. Porém, algumas vezes um efeito de sliding é uma melhor escolha, e para isso, o jquery tem um conjunto de métodos de combinação para fazer apenas isso. Vamos começar com um simples exemplo dele, onde nós usamos o método slideDown():

<div id="divTestArea1" style="padding: 50px; background-color: #89BC38; text-align: center; display: none;">
        <b>Hello, world!</b>
</div>
<a href="javascript:void(0);" onclick="ShowBox();">Show box</a>
<script type="text/javascript">
function ShowBox()
{
        $("#divTestArea1").slideDown();
}
</script>

Para esconder a caixa de novo, nós podemos usar o método slideUp(). Ambos recebem o mesmo conjunto de parâmetros, que são todos opcionais. O primeiro parâmetro permite você especificar a duração para o efeito em milissegundos, ou “fast” (rápido) ou “slow” (devagar), que são o mesmo se especificar ou 200 ou 600 milissegundos. Vamos tentar um exemplo onde nós fazemos apenas isso:

<div id="divTestArea21" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #89BC38;"></div>
<div id="divTestArea22" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #C3D1DF;"></div>
<div id="divTestArea23" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #9966FF;"></div>
<a href="javascript:void(0);" onclick="ShowBoxes();">Show boxes</a>
<script type="text/javascript">
function ShowBoxes()
{
        $("#divTestArea21").slideDown("fast");
        $("#divTestArea22").slideDown("slow");
        $("#divTestArea23").slideDown(2000);
}
</script>

Temos um pouco mais de HTML que o de costume, mas isso está lá apenas para você ser capaz de ver os andamentos diferentes que as caixas são mostradas. Observe como a primeira caixa aparece quase que instantaneamente, a segunda caixa é bem parecida e a terceira caixa é mais devagar, porque ela usou dois segundos inteiros para descer.

Agora, o segundo parâmetro pode ser oir o nome de uma  função de atenuação (que nós não vamos usar nesse tutorial) ou uma função de callback que você pode fornecer, para ser chamada uma vez que o efeito terminar. Aqui está um exemplo disso, combinado com o uso do método slideUp():

<div id="divTestArea3" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #89BC38;"></div>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("#divTestArea3").slideDown(2000, function()
        {
                $("#divTestArea3").slideUp(3000);
        });
});
</script>

A habilidade para fazer isso pode ser muito útil para combinar vários efeitos, com você pode ver. Neste exemplo, a função de callback que nós fornecemos será chamada assim que o método slideDown() estiver completamente finalizado e então o método slideUp() é chamado.

No caso de você querer simplificar o slide de um elemento para cima ou para baixo dependendo do seu estado atual, os desenvolvedores do jQuery forneceram a nós  um método legal slideToggle() para fazer apenas isso. Veja o próximo exemplo, onde nós usamos ele:

<div id="divTestArea4" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #89BC38;"></div><br />
<a href="javascript:void(0);" onclick="ToggleBox();">Toggle box</a>
<script type="text/javascript">
function ToggleBox()
{
        $("#divTestArea4").slideToggle("slow"); 
}
</script>

Fonte: jquery-tutorial.net

jQuery – Fading de elementos (Exibir/Esconder)

Fazer simples animação é muito fácil com jQuery. Um desses efeitos é o fading em um elemento, para exibí-lo ou escondê-lo. Aqui está um simples exemplo, onde nós exibimos uma caixa escondida, usando o método fadeIn():

<div id="divTestArea1" style="padding: 50px; background-color: #89BC38; text-align: center; display: none;">
        <b>Hello, world!</b>
</div>
<a href="javascript:void(0);" onclick="ShowBox();">Show box</a>
<script type="text/javascript">
function ShowBox()
{
        $("#divTestArea1").fadeIn();
}
</script>

Você pode dar um fade em um monte de elementos diferentes, como divs, spans ou links. O método fadeIn() pode receber três parâmetros. O primeiro permite você especificar a duração do efeito em milissegundos, ou “fast” (rápido) ou “slow” (devagar), que é o mesmo que especificar 200 ou 600 milissegundos. Aqui está um exemplo disso em uso:

<div id="divTestArea21" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #89BC38;"></div>
<div id="divTestArea22" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #C3D1DF;"></div>
<div id="divTestArea23" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #9966FF;"></div>
<a href="javascript:void(0);" onclick="ShowBoxes();">Show boxes</a>
<script type="text/javascript">
function ShowBoxes()
{
        $("#divTestArea21").fadeIn("fast");
        $("#divTestArea22").fadeIn("slow");
        $("#divTestArea23").fadeIn(2000);
}
</script>

Não se importe com todo o HTML, está lá apenas para que você possa ver a diferença entre as durações do fading. Agora, o segundo parâmetro pode ser o nome de uma função de atenuação (que nós não vamos usar nesse tutorial) ou uma função de callback que você pode fornecer, para ser chamada uma vez que o efeito terminar. Aqui está um exemplo disso, combinado com o uso do método fadeOut(), que obviamente tem o efeito reverso do fadeIn():

<div id="divTestArea3" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #89BC38;"></div>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("#divTestArea3").fadeIn(2000, function()
        {
                $("#divTestArea3").fadeOut(3000);
        });
});
</script>

Pode ter situações onde você quer esconder ou exibir um element dependendo do estado corrente do mesmo. Você poderia com certeza checar se ele está visível ou não, e então chamar ou fadeIn() ou fadeOut(), mas os desenvolvedores legais do jQuery tem nos fornecido um método específico para alternar (toggling) um elemento, chamado fadeToggle().  Ele leva os mesmo parâmetros como fadeIn() e fadeOut(), então ele é muito fácil de usar. Aqui está um pequeno exemplo:

<div id="divTestArea4" style="width: 50px; height: 50px; display: none; background-color: #89BC38;"></div><br />
<a href="javascript:void(0);" onclick="ToggleBox();">Toggle box</a>
<script type="text/javascript">
function ToggleBox()
{
        $("#divTestArea4").fadeToggle("slow");  
}
</script>

E isso é quão fácil é usar os efeitos de fading do jQuery.

Fonte: jquery-tutorial.net

jQuery – Selectors relação Parent/child (Pai/filho)

O jQuery também permite você selecionar elementos baseado em seus elemento pai. Temos duas variações: Uma que vai apenas combinar elementos que tem um filho direto ao elemento pai, e um qual irá combinar todo o caminho através da hierarquia, ex.: um filho de um filho de um filho de um elemento pai.

A sintaxe para encontrar filhos que são descendentes direto de um elemento se parece com isso:

$(“div > a”)

Esse selector irá encontrar todos os links que são filho direto de um elemento div. Substituindo o símbolo de “maior que” por um simples espaço em branco irá mudar isso para combinar todos links dentro de um elemento div, não interessa se eles estão diretamente relacionados ou não:

$(“div a”)

Aqui está um exemplo onde nós colorimos tags bold de azul se elas são descendentes diretas da primeira área de teste:

<div id="divTestArea1">
        <b>Bold text</b>
        <i>Italic text</i>
        <div id="divTestArea2">
                <b>Bold text 2</b>
                <i>Italic text 2</i>
                <div>
                        <b>Bold text 3</b>
                </div>
        </div>
</div>
<script type="text/javascript">
$("#divTestArea1 > b").css("color", "blue");
</script>

Como você verá, apenas a primeira tag bold está colorida. Agora, se você usou a segunda abordagem, ambas tags bold deverão estar coloridas de azul. Tente o seguinte exemplo, onde a única coisa alterada foi o caractere “maior que” que foi substituído por um espaço em branco, observe que nós também aceitados descendentes não diretos ou “netos” assim eles são chamados algumas vezes:

<div id="divTestArea1">
        <b>Bold text</b>
        <i>Italic text</i>
        <div id="divTestArea2">
                <b>Bold text 2</b>
                <i>Italic text 2</i>
                <div>
                        <b>Bold text 3</b>
                </div>
        </div>
</div>
<script type="text/javascript">
$("#divTestArea1 b").css("color", "blue");
</script>

Agora a coisa legal é que você pode na verdade voltar a cima da hierarquia se necessário, usando o método parent().

Fonte: jquery-tutorial.net

jQuery – Evento Ready e Encadeamento de método (Method chaining)

Como mencionado, é uma boa prática esperar o documento ser totalmente carregado (loaded) e pronto (ready), antes de trabalhar com ele. Isso também permite você ter seu código JavaScript antes do body (corpo) do seu documento, na sessão head (cabeçalho), senão diretamente ou através de um link para um arquivo JavaScript externo. Você pode fazer isso apenas colocando seu código dentro do evento ready do documento. Nós vamos usar o mesmo exemplo como no capítulo “Hello, world!”, mas dessa vez o código está dentro do evento ready:

<div id=”divTest1″></div>
<script type=”text/javascript”>
function DocumentReady()
{
$(“#divTest1”).text(“Hello, world!”);
}

$(document).ready(DocumentReady);
</script>

O que fazemos aqui é que criamos uma function (função), chamada DocumentReady, a qual deve ser disparadas assim que o documento estiver pronto para manipulação do DOM. Na última linha, usamos o método ready() para atribuir nossa função ao evento ready, para dizer ao jQuery que assim que o documento estiver pronto, nós queremos que ele chame nossa função.

Entretanto, nós podemos encurtá-la um pouco usando uma função anônima (anonymous function) do JavaScript em vez disso. Isso basicamente apenas significa que ao invés de declarar a função e dá-la um nome, nós simplesmente criamos ela e então imediatamente passamos a referencia à função ready(). Se você é novo em JavaScript, então isso pode parecer demasiadamente complicado, mas assim você se acostuma a isso, você talvez possa apreciar as poucas keystrokes e o menor espaço necessário para realizar o mesmo:

<div id=”divTest2″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(document).ready(function()
{
$(“#divTest2”).text(“Hello, world!”);
});
</script>

Mas com certeza, isso ainda não foi curto o bastante para o time do jQuery, então eles decidiram criar uma versão (sobrecarga) do construtor do jQuery, que leva uma função ready como um parâmetro, para fazer isso ainda mais curto:

<div id=”divTest3″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(function(){
$(“#divTest3”).text(“Hello, world!”);
});
</script>

No ultimo exemplo, nossa função anonima é passada diretamente ao contrutor do jQuery, que a atribui ao evento ready. Como você verá quando você testar o código, o evento é disparado assim que a página for carregada, a maioria das vezes tão rápido que você nem se quer percebe.

Como já descrito, envolver nosso código na função de evento ready é a melhor prática para trabalhar com jQuery em nosso documento, e portanto você verá esse tutorial usando essa abordagem na maioria dos exemplos, a não ser ignorado para manter o tamanho dos nossos exemplos baixo.

Encadeamento de método (Method chaining)

Também um outro aspecto de tantos outros aspectos realmente legais do jQuery é o fato de que a maioria dos métodos retornam um objeto jQuery que você pode então usar para chamar outro método. Isso permite você fazer um encadeamento de método, onde você pode chamar múltiplos métodos no mesmo conjunto de elementos, que é realmente agradável porque isso salva você e o navegador de ter que procurar o mesmo elemento mais de uma vez. Aqui vai um exemplo, e não se preocupe sobre os métodos do jQuery usados nos exemplos seguintes – eles serão explicados nos capítulos posteriores:

<div id=”divTest1″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(“#divTest1”).text(“Hello, world!”).css(“color”, “blue”);
</script>

Isso funciona assim: Nós instanciamos um novo objeto jQuery e selecionamos o elemento divTest1 com o caractere $, que é o atalho para a classe jQuery. No retorno, nós pegamos um objeto jQuery, permitindo-nos manipular o elemento selecionado. Nós usamos aquele objeto para chamar o método text(), que define o texto ao(s) elemento(s) selecionado(s). Esse método retorna o objeto jQuery de novo, nos permitindo usar outra chamada de método diretamente no valor de retorno, que é o método css().

Nós podemos adicionar mais métodos se nós precisarmos, mas até certo ponto, a linha de código se tornará bastante grande. Felizmente para nós, o JavaScript não é muito rigoroso em relação a sintaxe, então você pode formatar como você quiser, incluindo linebreaks (quebra de linha) e indentações.  Por exemplo, isso irá funcionar muito bem também:

<div id=”divTest2″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(“#divTest2”).text(“Hello, world!”)
.removeClass(“blue”)
.addClass(“bold”)
.css(“color”, “blue”);
</script>

O JavaScript irá simplesmente jogar fora os espaços extras em branco, quando interpretar o código e executa-lo como uma longa linha de código com várias chamadas de métodos.

Observe que alguns métodos não retornam o objeto jQuery, enquanto outro apenas retornam isso dependendo dos parâmetros que você passar pra ele. Um bom exemplo disso é o método text() usado acima. Se parâmetros não forem passados a ele, o texto atual do(s) objeto(s) selecionado(s) é retornado em vez do objeto jQuery, enquanto um único parâmetro provoca o jQuery a definir o texto especificado e retornar um objeto jQuery.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net

jQuery – Primeiros passos; Hello, world!

Para usar jQuery, você precisa incluí-lo nas páginas onde deseja tirar proveito dele. Você pode fazer isso baixando o jQuery do site dele em www.jquery.com. Lá tem geralmente a escolha entre uma versão de “Produção” (Production) e uma versão de “Desenvolvimento” (Development).

A versão de “Produção” é para o seu site real na web, por que ela foi reduzida e comprimida para ocupar o mínimo de espaço, o que é importante para os seus visitantes, do qual o navegador terá que baixar o arquivo do jQuery juntamente com o resto do seu website. Para teste e desenvolvimento, a versão “Desenvolvimento” é melhor. Ela não foi reduzida ou comprimida, então quando você encontrar um erro, você pode na verdade ver onde no jQuery isso aconteceu.

Uma vez que o arquivo JavaScript do jQuery foi baixado, você terá que referenciá-lo em suas páginas, usando a tag HTML <script>. O jeito mais fácil é colocar o arquivo do jQuery baixado no mesmo diretório da página onde deseja usá-lo e então referenciá-lo assim, na sessão <head> do seu documento:

<script type="text/javascript" src="jquery-1.5.1.js"></script>

Uma parte da sua página deve agora se parecer com isso:

<head>
<title>jQuery test</title>
<script type="text/javascript" src="jquery-1.5.1.js"></script>
</head>

Uma abordagem mais moderna, ao invés de você mesmo baixar e hospedar o jQuery, é incluí-lo de um CDN – Content Delivery Network (Rede de Fornecimento de Conteúdo). Tanto a Google quanto a Microsoft hospedam várias versões de jQuery e outros frameworks JavaScript. Isso lhe salva de ter que baixar e armazenar o framework jQuery, mas isso tem uma vantagem muito maior: Porque o arquivo vem de uma URL popular que outros websites podem utilizar também, há possibilidades de que quando as pessoas cheguem ao seu website e o navegador delas solicitar o framework jQuery, isso pode já estar no cachê, porque outro website está usando exatamente a mesma versão e arquivo. Além disso, a maioria dos CDN’s terão certeza de que uma vez que o usuário solicitou um arquivo dele, isso será fornecido por um servidor mais perto dele, então seus usuários Europeus não terão que transportar o arquivo por todo o caminho a partir dos Estados Unidos e assim por diante.

Você pode usar o jQuery de um CDN do mesmo jeito como você faria com a versão baixada, apenas a URL que muda. Por exemplo, para incluir o jQuery 1.5.1 a partir do Google, você deveria escrever o seguinte:

<script type="text/javascript" src="https://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.5.1/jquery.min.js"></script>

Eu sugiro que você use essa abordagem, a não ser que você tenha uma razão específica para você mesmo hospedar o jQuery. Aqui vai um link de informação do CDN do jQuery a partir do Google:

http://code.google.com/intl/da/apis/libraries/devguide.html#jquery

Ou se você preferir usar a partir da Microsoft:

http://www.asp.net/ajaxlibrary/cdn.ashx#jQuery_Releases_on_the_CDN_0

Vamos ao Hello, world!

Todo tutorial de programação decente começará com um exemplo “Hello, world!” e este tutorial é também um desses. No capítulo anterior, nó aprendemos como incluir o jQuery na nossa página, de modo que nós podemos começar a usar todos esses grandes recursos. Você precisa conhecer um pouco mais sobre como jQuery trabalha, antes de você começar a escrever seu próprio código, mas apenas para ter certeza que tudo está funcionando, e para você ver como é simples o jQuery, vamos começar com um pequeno exemplo:

<div id="divTest1"></div>
<script type="text/javascript">
$("#divTest1").text("Hello, world!");
</script>

Ok, então temos uma tag div com o id “divTest1”. No código JavaScript nós usamos o atalho $ para acessar o jQuery, então nós selecionamos todos os elementos com um id “divTest1” (há apenas um porém) e setamos seu texto para “Hello, world!”. Você pode não saber o suficiente sobre jQuery para entender porque e como isso funciona, mas como você progredirá através deste tutorial, todos esses elementos serão explicados em detalhes.

Mesmo uma tarefa tão simples como essa deve na verdade necessitar de um bom número extra de keystrokes se você tivesse que fazer isso em JavaScript puro, sem ajuda do jQuery:

<div id="divTest2"></div>
<script type="text/javascript">
document.getElementById("divTest2").innerHTML = "Hello, world!";
</script>

E isso seria ainda maior se nosso elemento HTML não tivesse um ID, por exemplo, apenas uma classe.

Normalmente, entretanto, você espera pelo documento entrar no estado READY (Pronto) antes de você começar manipular seu conteúdo. Os exemplos acima funcionarão na maioria dos navegadores e provavelmente até mesmo funcionará quando você fizer mais coisas avançadas, mas determinadas tarefas podem falhar se você tentar fazê-las antes do documento estar carregado (loaded) e pronto (ready). Felizmente, o jQuery faz isso muito fácil também.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net