Arquivos de sites

jQuery – Selectors relação Parent/child (Pai/filho)

O jQuery também permite você selecionar elementos baseado em seus elemento pai. Temos duas variações: Uma que vai apenas combinar elementos que tem um filho direto ao elemento pai, e um qual irá combinar todo o caminho através da hierarquia, ex.: um filho de um filho de um filho de um elemento pai.

A sintaxe para encontrar filhos que são descendentes direto de um elemento se parece com isso:

$(“div > a”)

Esse selector irá encontrar todos os links que são filho direto de um elemento div. Substituindo o símbolo de “maior que” por um simples espaço em branco irá mudar isso para combinar todos links dentro de um elemento div, não interessa se eles estão diretamente relacionados ou não:

$(“div a”)

Aqui está um exemplo onde nós colorimos tags bold de azul se elas são descendentes diretas da primeira área de teste:

<div id="divTestArea1">
        <b>Bold text</b>
        <i>Italic text</i>
        <div id="divTestArea2">
                <b>Bold text 2</b>
                <i>Italic text 2</i>
                <div>
                        <b>Bold text 3</b>
                </div>
        </div>
</div>
<script type="text/javascript">
$("#divTestArea1 > b").css("color", "blue");
</script>

Como você verá, apenas a primeira tag bold está colorida. Agora, se você usou a segunda abordagem, ambas tags bold deverão estar coloridas de azul. Tente o seguinte exemplo, onde a única coisa alterada foi o caractere “maior que” que foi substituído por um espaço em branco, observe que nós também aceitados descendentes não diretos ou “netos” assim eles são chamados algumas vezes:

<div id="divTestArea1">
        <b>Bold text</b>
        <i>Italic text</i>
        <div id="divTestArea2">
                <b>Bold text 2</b>
                <i>Italic text 2</i>
                <div>
                        <b>Bold text 3</b>
                </div>
        </div>
</div>
<script type="text/javascript">
$("#divTestArea1 b").css("color", "blue");
</script>

Agora a coisa legal é que você pode na verdade voltar a cima da hierarquia se necessário, usando o método parent().

Fonte: jquery-tutorial.net

jQuery – Introdução ao selectors (seletores) e Usando elementos, IDs e classes

Uma tarefa muito comum quando se está usando JavaScript, é ler e modificar o conteúdo da página. Para fazer isso, você precisa encontrar o(s) elemento(s) que você deseja modificar, e ai é onde o selector no jQuery ajudará você. Com o JavaScript normal, encontrar elementos pode ser extremamente pesado, ao menos que você precise encontrar um único elemento que tem um valor especificado no atributo ID. O jQuery pode ajudar você a encontrar elementos baseado em seus IDs, classes, tipos, atributos, valores de atributos e muito, muito mais. Ele é baseado no selectors do CSS e como você verá através desse tutorial, ele é extremamente poderoso. Quando usamos esse tipo de programa para fazer mudanças em seu site, é importante que você tenha autenticação de dois fatores (two factor authentication (em Inglês)) de modo que o seu site e computador não são compromissados.

Pela razão dessa ser uma tarefa tão comum, o construtor do jQuery vem em várias formas que recebem uma selector query como argumento (parâmetro), permitindo você localizar elementos com uma quantidade bastante limitada de código para uma eficiência ótima. Você pode instanciar o objeto jQuery simplesmente escrevendo jQuery() ou até mais curto usando o nome de atalho do jQuery: $().

Portanto, selecionar um conjunto de elementos é simples assim:

$(<query aqui>)

Com o objeto jQuery retornado, você pode então começar a usar e alterar os elementos que você encontrou.

Fonte

Usando elementos , IDs e classes

O selector #id

Um tipo de selector muito comum é o baseado em ID, que nós vimos no exemplo “Hello, world”. Ele usa o atributo ID de uma tag HTML para localizar o elemento desejado. Um ID deve ser único,então você deve apenas usar esse selectior quando você deseja localizar um único elemento. Para localizar um elemento com um ID específico, escreva um caractere hash (#), seguido pelo ID do elemento que você deseja localizar, assim:

$("#divTest")

Um exemplo disso em uso:

<div id="divTest"></div>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("#divTest").text("Test");
});
</script>

Agora, enquanto tiver apenas um único elemento que combina com a nossa query acima, você deve estar ciente que o resultado é uma lista, significando que isso pode conter mais de um elemento, se a query combina com mais de um. Um exemplo disso é combinar todos os elementos quais usam uma ou varias classes CSS.

O selector .class

Elementos com uma classe específica podem ser localizados escrevendo um caractere ponto (.) seguido pelo nome da classe. Aqui vai um exemplo:

<ul>
        <li>Test 1</li>
        <li>Test 2</li>
        <li>Test 3</li>
</ul>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $(".bold").css("font-weight", "bold");
});
</script>

O selector element

Você também pode combinar baseado em elementos nos nomes das tags.

You can also match elements based on their tag names. Por exemplo, você pode combiner todos os links emu ma página assim:

$(“a”)

Ou todas as tags div assim:

$(“div”)

Se você usar um selector de multi-elemento (multi-element), como o selector de classe que nós usamos no exemplo anterior, e nó sabemos que nós estamos procurando por emento de um tipo específico, é uma boa prática especificar o tipo do elemento antes do selector. Não é apenas mais preciso, mas também é mais rápido para o jQuery processar, resultando em sites mais responsivos. Aqui vai uma versão reescrita do exemplo anterior, onde nós usamos esse método:

$("span.bold").css("font-weight", "bold");

Isso combinará todos os elementos span com “bold” como classe. Claro, isso pode ser usado com IDs e praticamente com todos os outros selector também.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net

jQuery – Evento Ready e Encadeamento de método (Method chaining)

Como mencionado, é uma boa prática esperar o documento ser totalmente carregado (loaded) e pronto (ready), antes de trabalhar com ele. Isso também permite você ter seu código JavaScript antes do body (corpo) do seu documento, na sessão head (cabeçalho), senão diretamente ou através de um link para um arquivo JavaScript externo. Você pode fazer isso apenas colocando seu código dentro do evento ready do documento. Nós vamos usar o mesmo exemplo como no capítulo “Hello, world!”, mas dessa vez o código está dentro do evento ready:

<div id=”divTest1″></div>
<script type=”text/javascript”>
function DocumentReady()
{
$(“#divTest1”).text(“Hello, world!”);
}

$(document).ready(DocumentReady);
</script>

O que fazemos aqui é que criamos uma function (função), chamada DocumentReady, a qual deve ser disparadas assim que o documento estiver pronto para manipulação do DOM. Na última linha, usamos o método ready() para atribuir nossa função ao evento ready, para dizer ao jQuery que assim que o documento estiver pronto, nós queremos que ele chame nossa função.

Entretanto, nós podemos encurtá-la um pouco usando uma função anônima (anonymous function) do JavaScript em vez disso. Isso basicamente apenas significa que ao invés de declarar a função e dá-la um nome, nós simplesmente criamos ela e então imediatamente passamos a referencia à função ready(). Se você é novo em JavaScript, então isso pode parecer demasiadamente complicado, mas assim você se acostuma a isso, você talvez possa apreciar as poucas keystrokes e o menor espaço necessário para realizar o mesmo:

<div id=”divTest2″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(document).ready(function()
{
$(“#divTest2”).text(“Hello, world!”);
});
</script>

Mas com certeza, isso ainda não foi curto o bastante para o time do jQuery, então eles decidiram criar uma versão (sobrecarga) do construtor do jQuery, que leva uma função ready como um parâmetro, para fazer isso ainda mais curto:

<div id=”divTest3″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(function(){
$(“#divTest3”).text(“Hello, world!”);
});
</script>

No ultimo exemplo, nossa função anonima é passada diretamente ao contrutor do jQuery, que a atribui ao evento ready. Como você verá quando você testar o código, o evento é disparado assim que a página for carregada, a maioria das vezes tão rápido que você nem se quer percebe.

Como já descrito, envolver nosso código na função de evento ready é a melhor prática para trabalhar com jQuery em nosso documento, e portanto você verá esse tutorial usando essa abordagem na maioria dos exemplos, a não ser ignorado para manter o tamanho dos nossos exemplos baixo.

Encadeamento de método (Method chaining)

Também um outro aspecto de tantos outros aspectos realmente legais do jQuery é o fato de que a maioria dos métodos retornam um objeto jQuery que você pode então usar para chamar outro método. Isso permite você fazer um encadeamento de método, onde você pode chamar múltiplos métodos no mesmo conjunto de elementos, que é realmente agradável porque isso salva você e o navegador de ter que procurar o mesmo elemento mais de uma vez. Aqui vai um exemplo, e não se preocupe sobre os métodos do jQuery usados nos exemplos seguintes – eles serão explicados nos capítulos posteriores:

<div id=”divTest1″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(“#divTest1”).text(“Hello, world!”).css(“color”, “blue”);
</script>

Isso funciona assim: Nós instanciamos um novo objeto jQuery e selecionamos o elemento divTest1 com o caractere $, que é o atalho para a classe jQuery. No retorno, nós pegamos um objeto jQuery, permitindo-nos manipular o elemento selecionado. Nós usamos aquele objeto para chamar o método text(), que define o texto ao(s) elemento(s) selecionado(s). Esse método retorna o objeto jQuery de novo, nos permitindo usar outra chamada de método diretamente no valor de retorno, que é o método css().

Nós podemos adicionar mais métodos se nós precisarmos, mas até certo ponto, a linha de código se tornará bastante grande. Felizmente para nós, o JavaScript não é muito rigoroso em relação a sintaxe, então você pode formatar como você quiser, incluindo linebreaks (quebra de linha) e indentações.  Por exemplo, isso irá funcionar muito bem também:

<div id=”divTest2″></div>
<script type=”text/javascript”>
$(“#divTest2”).text(“Hello, world!”)
.removeClass(“blue”)
.addClass(“bold”)
.css(“color”, “blue”);
</script>

O JavaScript irá simplesmente jogar fora os espaços extras em branco, quando interpretar o código e executa-lo como uma longa linha de código com várias chamadas de métodos.

Observe que alguns métodos não retornam o objeto jQuery, enquanto outro apenas retornam isso dependendo dos parâmetros que você passar pra ele. Um bom exemplo disso é o método text() usado acima. Se parâmetros não forem passados a ele, o texto atual do(s) objeto(s) selecionado(s) é retornado em vez do objeto jQuery, enquanto um único parâmetro provoca o jQuery a definir o texto especificado e retornar um objeto jQuery.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net

JPA2/Hibernate – Auto-incremento em colunas non-id (sem anotação @Id)

E ai galera beleza? hoje tive um problema ao tentar implementar:

@SequenceGenerator(name="MINHA_SEQUENCE", sequenceName="MINHA_SEQUENCE", allocationSize=1)
@GeneratedValue(strategy=GenerationType.SEQUENCE, generator="MINHA_SEQUENCE")

em uma coluna que não tinha @Id… simplesmente não estava criando a sequence, consequentemente, não gerava o valor automatico…

achei a seguinte solução: (não utiliza as anotações @SequenceGenerator e @GeneratedValue)

@Column(columnDefinition="serial")
@Generated(GenerationTime.INSERT)

testei no postgresql e funcionou perfeitamente!

Espero que ajude 😀 abraços !

Fonte: Sergey Vedernikov – Stackoverflow / axtavt – Stackoverflow

Gerador de Dados Pessoais Fictícios

E ai galera beleza?

Achei um site muito interessante que gera dados pessoais fictícios:

http://pt.fakenamegenerator.com/

se você na hora de testar seu sistema sempre acaba colocando nomes
bizarros ou “asdfasdfasdf” no lugar dos dados acredito que esse site
será de grande proveito !!! 😀

Abraços