Arquivos de sites

JPA/Hibernate Static Metamodel Attributes não populados / nulos — Gerando NullPointerException

E ai galera, beleza?

Hoje tive um problema tentando utilizar os atributos metamodel estáticos do JPA/Hibernate,
sempre quando eu ia utilizá-los, eles estavam nulos… depois de um tempo quebrando a cabeça consegui achar o motivo!

Vamos exemplificar o cenário:

Entidade:

package com.mydomain.model.user;

public class User {

/** Número de identificação */
@Id
private Long id;

/** Nome de autenticação */
private String username;

//getters e setters
}

Metamodel:

package com.mydomain.metamodels;

import javax.persistence.metamodel.SingularAttribute;
import javax.persistence.metamodel.StaticMetamodel;

@StaticMetamodel(User.class)
public class User_ {
public static volatile SingularAttribute<User, String> username;
}

Uso do metamodel no predicado (predicate):


cb.equal(root.get(User_.username), “usuario_teste”);

Toda vez que eu tentava dar get(…) eu estava tomando nullpointerexception,
e a solução que encontrei foi colocar a classe User.class e a User_.class no mesmo pacote…
não sei o real motivo para precisarem estar, porém só assim funcionou pra mim..

Pesquisando descobri também que em futuros releases talvez essas classes possam ficar em pacotes diferentes,
segue algumas regras descritas na especificação do JPA 2:

  • Classes Metamodel devem estar no mesmo pacote das classes de entidade que elas descrevem;
  • Elas devem ter o mesmo nome das classes de entidade que elas descrevem, seguido por um traço-baixo (“_”, underline, underscore…).
    Exemplo: Produto.class é a classe de entidade e o Produto_.class é a classe metamodel.
  • Se uma entidade herdar de outra entidade ou de uma superclasse mapeada (mapped superclass) deve herdar da classe metamodel que descreve sua superclasse.
    Exemplo: Se ProdutoEspecial.class estende Product.class, que estende ObjetoPersistente.class, então ProdutoEspecial_.class deve estender Produto_.class, que deve estender ObjetoPersistente_.class.

É isso ai pessoal espero ter ajudado!
valeu!!!

Fonte: stackoverflow.com – debbie/Vítor E. Silva Souza

jQuery – Pegando e atribuindo classes CSS

Assim como é fácil manipular o conteúdo e atributos dos elementos, como nós vimos no capítulo anterior, é igualmente fácil manipular o CSS dos elementos. O jQuery lhe dá acesso fácil para mudança tanto do atributo de estilo, que você manipula usando o método css(), como a(s) classe(s) de um elemento, onde vários métodos diferentes permitem você modificar isso.

Vamos começar olhando a mudança do atributo class (classe). O atributo class recebe um ou vários nomes de classes, que pode ou não referenciar a uma classe CSS definida no seu stylesheet. Geralmente faz, mas você pode de tempos em tempos adicionar nomes de classes aos seus elementos simplesmente para estar apto para alcançar eles facilmente pelo jQuery, já que o jQuery tem um excelente suporte para seleção de elementos baseado nos  nomes da classe.

Eu defini alguns seletores CSS bem simples no meu stylesheet, principalmente para propósitos de teste:

.bold {
        font-weight: bold;
}
.blue {
        color: blue;
}

No seguinte exemplo nós vamos usar três dos métodos mais interessantes relacionados à classe: hasClass(), que checa se um ou vários elementos já tem uma classe específica definida, addClass(), que simplesmente adiciona um nome de classe a um ou vários elementos e o método removeClass(), que  irá… bem, você provavelmente já adivinhou isso.

<a href="javascript:void(0);" onclick="ToggleClass(this);">Toggle class</a>
<script type="text/javascript">
function ToggleClass(sender)
{
        if($(sender).hasClass("bold"))
                $(sender).removeClass("bold");
        else
                $(sender).addClass("bold");
}
</script>

O exemplo é na realidade muito simples. Quando o link é clicado, nós enviamos o próprio link (this) como um parâmetro ao método ToggleClass() que nós temos definido. Nele, nós checamos se o remetente já tem a classe “bold” – se ele tiver nós o removemos, caso contrário nós o adicionamos. Isso é uma coisa muito comum de se fazer, então obviamente o pessoal do jQuery não quer  que nós escrevemos todas essas três linhas de código para isso. É por isso que eles implementaram o método toggleClass(), com o qual nós podemos transformar todo nosso exemplo avima dentro de uma única linha de código:

<a href="javascript:void(0);" onclick="$(this).toggleClass('bold');">Toggle class</a>

Com certeza, nós podemos selecionar multiplos elementos, onde nós podemos adicionar ou remover múltiplas classes, também. Aqui está um exemplo disso:

<div id="divTestArea1">
        <span>Test 1</span><br />
        <div>Test 2</div>
        <b>Test 3</b><br />
</div>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("#divTestArea1 span, #divTestArea1 b").addClass("blue");
        $("#divTestArea1 div").addClass("bold blue");
});
</script>

Primeiro nós selecionamos as tags span e a b, a qual nós adicionamos uma única classe para: classe blue. Então nós selecionamos a tags div, que nós adicionamos duas classes, separadas por espaço: classe bold e a blue. O método removeClass() funciona apenas do mesmo jeito, permitindo você especificar várias classes para serem removidas, separadas por espaços.

Fonte: jquery-tutorial.net

jQuery – Introdução ao selectors (seletores) e Usando elementos, IDs e classes

Uma tarefa muito comum quando se está usando JavaScript, é ler e modificar o conteúdo da página. Para fazer isso, você precisa encontrar o(s) elemento(s) que você deseja modificar, e ai é onde o selector no jQuery ajudará você. Com o JavaScript normal, encontrar elementos pode ser extremamente pesado, ao menos que você precise encontrar um único elemento que tem um valor especificado no atributo ID. O jQuery pode ajudar você a encontrar elementos baseado em seus IDs, classes, tipos, atributos, valores de atributos e muito, muito mais. Ele é baseado no selectors do CSS e como você verá através desse tutorial, ele é extremamente poderoso. Quando usamos esse tipo de programa para fazer mudanças em seu site, é importante que você tenha autenticação de dois fatores (two factor authentication (em Inglês)) de modo que o seu site e computador não são compromissados.

Pela razão dessa ser uma tarefa tão comum, o construtor do jQuery vem em várias formas que recebem uma selector query como argumento (parâmetro), permitindo você localizar elementos com uma quantidade bastante limitada de código para uma eficiência ótima. Você pode instanciar o objeto jQuery simplesmente escrevendo jQuery() ou até mais curto usando o nome de atalho do jQuery: $().

Portanto, selecionar um conjunto de elementos é simples assim:

$(<query aqui>)

Com o objeto jQuery retornado, você pode então começar a usar e alterar os elementos que você encontrou.

Fonte

Usando elementos , IDs e classes

O selector #id

Um tipo de selector muito comum é o baseado em ID, que nós vimos no exemplo “Hello, world”. Ele usa o atributo ID de uma tag HTML para localizar o elemento desejado. Um ID deve ser único,então você deve apenas usar esse selectior quando você deseja localizar um único elemento. Para localizar um elemento com um ID específico, escreva um caractere hash (#), seguido pelo ID do elemento que você deseja localizar, assim:

$("#divTest")

Um exemplo disso em uso:

<div id="divTest"></div>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $("#divTest").text("Test");
});
</script>

Agora, enquanto tiver apenas um único elemento que combina com a nossa query acima, você deve estar ciente que o resultado é uma lista, significando que isso pode conter mais de um elemento, se a query combina com mais de um. Um exemplo disso é combinar todos os elementos quais usam uma ou varias classes CSS.

O selector .class

Elementos com uma classe específica podem ser localizados escrevendo um caractere ponto (.) seguido pelo nome da classe. Aqui vai um exemplo:

<ul>
        <li>Test 1</li>
        <li>Test 2</li>
        <li>Test 3</li>
</ul>
<script type="text/javascript">
$(function()
{
        $(".bold").css("font-weight", "bold");
});
</script>

O selector element

Você também pode combinar baseado em elementos nos nomes das tags.

You can also match elements based on their tag names. Por exemplo, você pode combiner todos os links emu ma página assim:

$(“a”)

Ou todas as tags div assim:

$(“div”)

Se você usar um selector de multi-elemento (multi-element), como o selector de classe que nós usamos no exemplo anterior, e nó sabemos que nós estamos procurando por emento de um tipo específico, é uma boa prática especificar o tipo do elemento antes do selector. Não é apenas mais preciso, mas também é mais rápido para o jQuery processar, resultando em sites mais responsivos. Aqui vai uma versão reescrita do exemplo anterior, onde nós usamos esse método:

$("span.bold").css("font-weight", "bold");

Isso combinará todos os elementos span com “bold” como classe. Claro, isso pode ser usado com IDs e praticamente com todos os outros selector também.

Fonte: jquery-tutorial.net / jquery-tutorial.net

Parte 6 – Tutorial de Upload e Gravação de Arquivos do Struts 2 com Exemplo

Bem vindos a parte 6 de uma série de 7 partes do framework Struts2. Na parte anterior nós passamos pelo básico dos Interceptadores do Struts2. Também criamos um interceptador customizado e o integramos a aplicação Struts2.

É bastante recomendável passar pelos artigos anteriores no caso de você ser novo no framework Struts2.

Hoje vamos ver como fazer um Upload de Arquivos no Struts2. Nós vamos utilizar o interceptador FileUploadInterceptor que vem embutido no Struts2, no nosso exemplo para fazer o upload do arquivo. O interceptador de upload de arquivos do Struts2 é baseado no MultiPartRequestWrapper, o qual é automaticamente aplicado a requisição se ela contém um elemento de arquivo.

Arquivo JAR Necessário

Antes de começar, você precisa ter certeza que o arquivo commons-io.jar está presente no classpath. Segue a lista de arquivos JAR necessários.
struts2-file-upload-jar-files

Primeiros passos

A fim de adicionar a funcionalidade de upload de arquivos, nós vamos adicionar uma classe action FileUploadAction ao nosso projeto. Crie o arquivo FileUploadAction.java no pacote net.viralpatel.struts2
FileUploadAction.java

package net.viralpatel.struts2;

 

import java.io.File;

import javax.servlet.http.HttpServletRequest;

import org.apache.commons.io.FileUtils;

import org.apache.struts2.interceptor.ServletRequestAware;

import com.opensymphony.xwork2.ActionSupport;

 

public class FileUploadAction extends ActionSupport implements

        ServletRequestAware {

    private File userImage;

    private String userImageContentType;

    private String userImageFileName;

 

    private HttpServletRequest servletRequest;

 

    public String execute() {

        try {

            String filePath = servletRequest.getSession().getServletContext().getRealPath(“/”);

            System.out.println("Server path:" + filePath);

            File fileToCreate = new File(filePath, this.userImageFileName);

 

            FileUtils.copyFile(this.userImage, fileToCreate);

        } catch (Exception e) {

            e.printStackTrace();

            addActionError(e.getMessage());

 

            return INPUT;

        }

        return SUCCESS;

    }

 

    public File getUserImage() {

        return userImage;

    }

 

    public void setUserImage(File userImage) {

        this.userImage = userImage;

    }

 

    public String getUserImageContentType() {

        return userImageContentType;

    }

 

    public void setUserImageContentType(String userImageContentType) {

        this.userImageContentType = userImageContentType;

    }

 

    public String getUserImageFileName() {

        return userImageFileName;

    }

 

    public void setUserImageFileName(String userImageFileName) {

        this.userImageFileName = userImageFileName;

    }

 

    @Override

    public void setServletRequest(HttpServletRequest servletRequest) {

        this.servletRequest = servletRequest;

 

    }

}

No arquivo da classe acima, nós declaramos alguns atributos:

  • private File userImage; -> Isso irá armazenar o arquivo carregado
  • private String userImageContentType; -> Essa string conterá o Content Type do arquivo carregado.
  • private String userImageFileName; -> Essa string irá conter o nome do arquivo carregado.

Os campos userImageContentType e userImageFileName são opcionais. Se o método setter desse campos for fornecido, o Struts2 irá setar o dado. Isso é apenas para pegar alguma informação extra do arquivo carregado. Segue também o padrão de nomeação, se você fornecer o tipo do conteúdo e o nome do arquivo. O nome deve ser ContentType e FileName. Por exemplo, se o atributo arquivo (File) na action for private File uploadedFile, o tipo do conteúdo será uploadedFileContentType e o nome do arquivo uploadedFileFileName.

Observe também na classe action acima, nós implementamos a interface org.apache.struts2.interceptor.ServletRequestAware. Isto é para pegar o objeto servletRequest. Nós estamos usando esse path para salvar o arquivo carregado no método execute(). Nós usamos o método FileUtil.copyFile() do pacote commons-io para copiar o arquivo carregado na pasta root. Esse arquivo será recuperado na página JSP e exibido ao usuário.

Os JSPs

Crie dois arquivos JSP na pasta WebContent. UserImage.jsp irá exibir um formulário para o usuário carregar a imagem. Ao submeter, o arquivo será carregado e salvo no servidor. O usuário será enviado ao arquivo SuccessUserImage.jsp aonde terá os detalhes do arquivo serão exibidos. Copie o seguinte código dentro dele.
UserImage.jsp

<%@ page contentType="text/html; charset=UTF-8"%>

<%@ taglib prefix="s" uri="/struts-tags"%>

<html>

<head>

<title>Upload User Image</title>

</head>

 

<body>

<h2>Struts2 File Upload & Save Example</h2>

<s:actionerror />

<s:form action="userImage" method="post" enctype="multipart/form-data">

    <s:file name="userImage" label="User Image" />

    <s:submit value="Upload" align="center" />

</s:form>

</body>

</html>

SuccessUserImage.jsp

<%@ page contentType="text/html; charset=UTF-8"%>

<%@ taglib prefix="s" uri="/struts-tags"%>

<html>

<head>

<title>Success: Upload User Image</title>

</head>

<body>

    <h2>Struts2 File Upload Example</h2>

    User Image: <s:property value="userImage"/>

    <br/>

    Content Type: <s:property value="userImageContentType"/>

    <br/>

    File Name: <s:property value="userImageFileName"/>

    <br/>

    Uploaded Image:

    <br/>

    <img src="<s:property value="userImageFileName"/>"/>

</body>

</html>

Entrada no Struts.xml

Adicione a seguinte entrada da classe FileUploadAction  ao arquivo struts.xml.

<action name="userImage"

    class="net.viralpatel.struts2.FileUploadAction">

    <interceptor-ref name="fileUpload">

        <param name="maximumSize">2097152</param>

        <param name="allowedTypes">

            image/png,image/gif,image/jpeg,image/pjpeg

        </param>

    </interceptor-ref>

    <interceptor-ref name="defaultStack"></interceptor-ref>

    <result name="success">SuccessUserImage.jsp</result>

    <result name="input">UserImage.jsp</result>

</action>

Observe que na entrada acima nós especificamos dois parâmetros ao interceptador fileUpload, maximumSize e allowedTypes. Estes são parâmetros opcionais que nós podemos especificar ao interceptador. O parâmetro maximumSize setará o tamanho máximo do arquivo que poderá ser carregado. Por padrão é 2MB. E o parâmetro allowedTypes especifica os tipos de conteúdos permitidos do arquivo que será carrregado. Aqui nós o especificamos para ser um arquivo de imagem (image/png,image/gif,image/jpeg,image/pjpeg).

O interceptador de carga de arquivo também faz a validação e adiciona erros, essas mensagens de erros são armazenadas dentro do arquivo struts-messsages.properties. Os valores das mensagens podem ser sobrescritos fornecendo texto/valor para as seguintes chaves:

  • struts.messages.error.uploading – erro quando a carga do arquivo falha
  • struts.messages.error.file.too.large – erro ocorrido quando o tamanho do arquivo é grande
  • struts.messages.error.content.type.not.allowed – quando o tipo do conteúdo não é permitido

Isso é tudo pessoal

Compile e execute o projeto no eclipse e vá ao link http://localhost:8080/StrutsHelloWorld/UserImage.jsp

Tela de carga de imagem
struts2-file-upload-example

Tela de carga de imagem no caso de erro
struts2-file-upload-error

Tela de carga de imagem em sucesso
struts2-file-upload-success

Download do código fonte

Clique aqui para fazer o download do código fonte sem os JARs (20KB)

Fonte: viralpatel.net – Viral Patel

Parte 5 – Tutorial de Interceptadores (Interceptors) do Struts2 com Exemplo

Sejam vem vindos a parte 5 de uma série de 7 partes aonde nós vamos examinar aspectos diferentes do framework Struts2. No artigo anterior nós vimos como integrar o framework Tile com o Struts2.

Hoje vamos explorer o mundo dos Interceptadores(Interceptors) no Struts2. Nós vamos ver o que os interceptadores são e como configura-los em uma aplicação web baseada em Struts2.

Interceptadores do Struts 2: Fundamentos

O Struts2 fornece um mecanismo poderoso para controlar uma requisição usando Interceptadores. Interceptadores são responsáveis pela maior parte do processamento de requisições. Eles são invocados pelo controller (controlador) antes e depois de invocar uma action, assim eles ficam entre o controller e a action. Interceptadores executam tarefas como Logging, Validation, File Upload, Double-submit guard e etc.
struts2 request processing lifecycle
O ciclo de vida de processamento do framework Struts2 é bastante discutido na parte 1 do tutorial.

  1. A requisição é gerada pelo usuário e enviada ao Servlet container.
  2. Servlet container invoca o filtro FilterDispatcher que por sua vez determina a ação apropriada.
  3. Um por um dos Intercetors são aplicados ante de chamar a Action. Interceptors executam tarefas como Logging, Validation, File Upload, Double-submit guard e etc.
  4. Action é executada e o Result é gerado pela Action.
  5. A saída da Action é renderizada na view (JSP, Velocity, etc) e o resultado é retornado ao usuário.

Portanto os interceptadores do Struts2 removem funções cross cutting como logging de componentes action e cria uma separação mais limpa do MVC.

O Struts2 vem com uma lista padrão de interceptadores já configurada na aplicação, no arquivo struts-default.xml. Nós podemos criar nossas próprios interceptadores e pluga-los dentro de uma aplicação web baseada em Struts2.

O framework cria um objeto de ActionInvocation que encapsula a action e todos os interceptadores configurados para aquela action. Cada interceptador é chamado antes da action ser chamada. Uma vez que a action é chamada e o resultado é gerado, cada interceptador é chamado de novo na ordem contrária para executar o trabalho de pós-processamento. Interceptadores podem alterar o workflow (fluxo de trabalho) da action. Isso talvez impessa a execução da action.

Nossa Meta

Nossa meta sera criar um interceptador customer MyLoggingInterceptor, o qual irá logar a requisição antes de qualquer action ser chamada. Ele também irá imprimir o nome da classe Action e o tempo de execução em milisegundos.

Criando o Interceptador de Log

Crie uma classe java MyLoggingInterceptor no pacote net.viralpatel.struts2.interceptors e copie o seguinte conteúdo dentro dela.
struts2-logging-interceptors

package net.viralpatel.struts2.interceptor;import com.opensymphony.xwork2.ActionInvocation;

import com.opensymphony.xwork2.interceptor.Interceptor;

public class MyLoggingInterceptor implements Interceptor{

    private static final long serialVersionUID = 1L;

    public String intercept(ActionInvocation invocation) throws Exception {

        String className = invocation.getAction().getClass().getName();

        long startTime = System.currentTimeMillis();

        System.out.println("Before calling action: " + className);

        String result = invocation.invoke();

        long endTime = System.currentTimeMillis();

        System.out.println("After calling action: " + className

                + " Time taken: " + (endTime - startTime) + " ms");

        return result;

    }

    public void destroy() {

        System.out.println("Destroying MyLoggingInterceptor...");

    }

    public void init() {

        System.out.println("Initializing MyLoggingInterceptor...");

    }

}

Configurando o interceptador no struts.xml

Uma vez que nós criamos uma classe interceptadora, tudo o que precisamos fazer é configurar ela no arquivo struts.xml e usa-la com as actions.

Para configurar o interceptador criado há pouco, adicione o seguinte código dentro do struts.xml

<interceptors>    <interceptor name="mylogging"

        class="net.viralpatel.struts2.interceptor.MyLoggingInterceptor">

    </interceptor>

    <interceptor-stack name="loggingStack">

        <interceptor-ref name="mylogging" />

        <interceptor-ref name="defaultStack" />

    </interceptor-stack>

</interceptors>

Esse código deve ser adicionado depois da tag <result-types >  no <package ></package>. Aqui nós configuramos um novo interceptador mylogging com a tag <interceptor >. Também veja que nós definimos um interceptor-stack com o nome de loggingStack. Isso é para ter certeza de que o Struts2 chamará todos os interceptadores padrões assim como chamará o nosso interceptador customizado. Isso é muito importante como por exemplo a lógica de validação não será chamada na nossa aplicação Struts2 se nós ignorarmos o stack padrão (defaultStack) dos interceptadores.

Nós podemos fazer o novo loggingStack como interceptador padrão ou podemos configurar ele em cada nível de action. A fim de faze-lo um stack padrão, nós devemos adicionar o seguinte no struts.xml

<default-interceptor-ref name="loggingStack"></default-interceptor-ref>

Uma vez que nós adicionamos o código acima no Struts.xml, o logginStack será aplicado à todas as action daquele pacote.

Também nós talvez quiséssemos aplicar o interceptador customizado para apenas determinadas actions. Para fazer isso, nós precisamos adicionar a tag interceptor-ref na action.

<action name="login"    class="net.viralpatel.struts2.LoginAction">

    <interceptor-ref name="loggingStack"></interceptor-ref>

    <result name="success" type="tiles">/welcome.tiles</result>

    <result name="error">Login.jsp</result>

</action>

Isso é tudo pessoal

Se nós executarmos nossa aplicação StrutsHelloWorld no ecplipse e olharmos os logs do console, nós vamos encontrar as declarações de log que nós imprimimos no nosso interceptador.

Initializing MyLoggingInterceptor.....

..

..

Before calling action: net.viralpatel.struts2.LoginAction

..

..

After calling action: net.viralpatel.struts2.LoginAction Time taken: 313 ms

..

..

..

Destroying MyLoggingInterceptor...

Download do código fonte

Clique aqui para fazer o download do código fonte sem os JARs (17KB)

Fonte: viralpatel.net – Viral Patel